Dicas e Curiosidades

ver todos

Ataque cibernético derruba sistemas de comunicação em vários países

Postado em 12/05/2017

Ataque cibernético derruba sistemas de comunicação em vários países

469.000
novas ameaças são encontradas
por semana na internet.

Se você quer uma
navegação segura e total
proteção
para seus dados
garanta a proteção do
UOL Antivírus

baixar agora

Um poderoso ciberataque está fazendo com que diversas empresas em todo o mundo percam o acesso aos seus sistemas de comunicação nesta sexta-feira (12).

O culpado seria um ransomware, tipo de vírus que bloqueia o acesso a sistemas de computador e arquivos e exige um resgate em dinheiro para que as informações e o próprio computador voltem a ser liberados.

Esse vírus tem se espalhado graças a uma falha no Windows, que foi reportada pela Microsoft em março de 2017. A empresa de Bill Gates recomendou que as versões 7, 8 e 10 do sistema fossem atualizadas para garantir maior proteção contra esse tipo de ataque.

Há informações de que várias empresas tenham sido afetadas na Espanha, entre elas a Telefônica, a Mapfre e o banco BBVA. No Reino Unido, dezesseis hospitais perderam acesso aos seus sistemas, inclusive ao banco de dados que contém os prontuários médicos.

Empresas com sede na Rússia, Japão, Alemanha, Estados Unidos, Filipinas e Turquia também estão tendo os mesmos problemas. A imprensa espanhola especula que o mega-ataque tenha origem na China.

De acordo com relatos dos funcionários, depois do ataque, os computadores passaram a exibir uma mensagem exigindo um resgate de 300 dólares em bitcoins, cerca de 940 reais, para que os sistemas fossem liberados. Os hackers ainda avisaram que quanto mais tempo as empresas demorarem para fazer o pagamento, mais o valor para o desbloqueio deve subir.

O Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo também sofreu ataques, e o site ficou fora do ar na tarde desta sexta-feira. Apesar de funcionários da Vivo e do banco Santander também terem reportado problemas nas redes, as assessorias de imprensa de ambas as companhias negaram estar entre as vítimas.