Dicas e Curiosidades

ver todos

Bluetooth: o perigo pode estar solto no ar

Postado em 25/03/2014

Bluetooth: o perigo pode estar solto no ar

469.000
novas ameaças são encontradas
por semana na internet.

Se você quer uma
navegação segura e total
proteção
para seus dados
garanta a proteção do
UOL Antivírus

baixar agora

Atender a uma ligação enquanto dirige, sem ter que tocar no telefone. Transferir arquivos de um celular para outro sem necessidade de wi-fi ou 3G. Descarregar fotos da máquina no computador sem a ajuda de um cabo. Estas peripécias só são possíveis porque existe o Bluetooth.

A tecnologia, que transfere informações entre dois ou mais dispositivos que estão perto um do outro, é uma faca de dois gumes. Se por um lado ela faz arquivos “voarem pelos ares”, por outro ele traz perigos invisíveis que podem infectar os aparelhos utilizados.

Veja quais são esses riscos e fique atento,os criminosos podem estar ao seu redor:

Roubo de informações

Se você anda com o Bluetooth ativado pra lá e pra cá, corre sério risco de ter os dados, armazenados em seu dispositivo, roubados. As pessoas que não alteram as senhas de conexão, deixando aquela que veio de fábrica, estão ainda mais vulneráveis a essas invasões.

A dica é: primeiro altere a senha original que permite o emparelhamento. Segundo, não deixe o seu Bluetooth o tempo todo ativado. Só ligue-o quando for utilizá-lo, e após o envio ou recebimento do arquivo, deixe-o inativo novamente.

Caso nunca tenha feito isso, e nem saiba por onde começar, consulte o manual do seu aparelho. Configure-o para que não seja identificado (ou "descoberto") por outros aparelhos (em muitos aparelhos esta opção aparece como "Oculto", "Invisível" ou no termo em inglês “hidden”).

Arquivos infectados

O envio de spams por Bluetooth também ocorre. Remetentes maliciosos enviam arquivos infectados de imagens, áudio e vídeo para as vítimas. Quando baixados, eles se infiltram no aparelho alheio e roubam informações pessoais.

Os invasores podem até enviar mensagens e realizar chamadas pelo número invadido. A vítima só irá se dar conta do golpe quando receber, por exemplo, uma fatura salgada com ligações internacionais.

Não aceitar conexão com remetentes desconhecidos é a melhor maneira de prevenção. Além disto, manter um antivírus atualizado no celular também evita esse tipo de dor de cabeça.

Publicidade disfarçada

Algumas empresas também utilizam o bluetooth como ferramenta de marketing, enviando anúncios diretamente para o aparelho do usuário. O problema está nos ataques disfarçados de publicidade.

Quando receber uma solicitação para envio de propaganda, desconfie. Olhe ao redor e veja se realmente está existindo alguma ação desse tipo. Se estiver em algum evento, procure o responsável pela marca e certifique-se se é ele mesmo quem está tentando enviar a mensagem para você. Só aceite o emparelhamento se estiver certo de que o remetente é confiável.

Espiões “dentro” do seu carro

Não são só os celulares que correm riscos com a tecnologia. Como dissemos no início do texto, o bluetooth é utilizado por diversos aparelhos, e em diferentes ocasiões. O dispositivo “mão-livres”, que permite que os motoristas atendam a chamadas telefônicas sem tocar no aparelho, também é alvo de ataques.

Chamado de Car Whisperer, um software malicioso permite aos criminosos capturar o áudio dos carros que utilizam a tecnologia sem fio. Dessa maneira, os mal intencionados ouvem todas as chamadas telefônicas intermediadas pelo bluetooth.

Nesses casos, a melhor prevenção também é manter a ferramenta desligada quando não estiver em uso.

Você costuma utilizar o bluetooth? Então fique atento a essas dicas de segurança.