Dicas e Curiosidades

ver todos

Brasileiros oferecem cursos para profissionalização de cibercriminosos

Postado em 27/01/2017

Brasileiros oferecem cursos para profissionalização de cibercriminosos

469.000
novas ameaças são encontradas
por semana na internet.

Se você quer uma
navegação segura e total
proteção
para seus dados
garanta a proteção do
UOL Antivírus

baixar agora

Infelizmente, o submundo do crime digital vem prosperando nos últimos anos em território nacional. Para se ter uma ideia, de acordo com estudo da Trend Micro, 5% do total de programas maliciosos criados no mundo “nascem” no Brasil.

Não é só isso. O levantamento descobriu, também, que para aumentar a renda, os criminosos digitais vendem “kits” de malware para infecção na deep web, uma vez que lá é um ambiente mais difícil de ser rastreado. Como se não bastasse, eles ainda estão oferecendo cursos para profissionalização de novos cibercriminosos.

O que preocupa, também, é que o preço para adquirir esses produtos e serviços não foge tanto assim da realidade do bolso dos brasileiros. Com 200 reais é possível comprar 10 conjuntos de cartão de crédito, por exemplo. Um curso completo para se tornar um cibercriminoso custa certa de 300 reais.

Confira, a seguir, mais detalhes e outras particularidades do submundo do crime digital no Brasil revelados pelo estudo da Trend Micro:

Malwares para roubar dados bancários

O brasileiro está usando, cada vez mais, o serviço de internet banking. Cerca de 69% (ou 17,7 bilhões de reais) das transações registradas nos bancos brasileiros foram realizadas no meio digital em 2015.

Nesse sentido, os ataques que roubam dados bancários são os preferidos dos criminosos digitais. O malware KAISER, por exemplo, registra todas as teclas digitadas pelo usuário. Assim, o atacante consegue acessar e realizar transferências em inúmeras contas bancárias.

Um golpe que só acontece no Brasil é o das pragas que modificam, em tempo real, os códigos de barras e números dos boletos bancários emitidos na internet. Aí, o dinheiro do pagamento acaba entrando na conta bancária do criminoso. Descoberto pela RSA Research, braço de segurança da multinacional EMC, em 2013, esse tipo de golpe já desviou, ao menos, 8,7 bilhões de reais desde então.

Verificadores de número de cartão de crédito

É verdade que a maioria das lojas online no Brasil exige dados adicionais dos clientes e dos cartões de crédito, como CPF e o código de segurança dos cartões. No entanto, há uma série de lojas online que permite a compra de produtos com cartões de crédito sem exigir códigos de segurança.

Sabendo disso, criminosos digitais brasileiros desenvolveram um programa que gera cerca de mil combinações de números de cartões de crédito a cada execução. Aí, automaticamente, elas são testadas. As combinações válidas ficam armazenadas em um arquivo de texto para ser vendidas no mercado negro da web.

Tudo à venda

Depois de desenvolver e roubar informações, os criminosos digitais brasileiros colocam (praticamente) tudo à venda na deep web. Além de informações pessoais e dados bancários, dá até para encontrar – e comprar! – registro de placas de carro, seguidores nas redes sociais e até dados completos do CadSUS (Cadastro do Sistema Único de Saúde brasileiro). E até documentos e dinheiro falsos também são vendidos por lá.

Proteja-se

Em meio a tantos ataques e roubos de dados, não há mais desculpas para deixar a questão da segurança de lado. Afinal de contas, o que está em jogo é sua privacidade e também seu dinheiro. O UOL Segurança Digital tem a solução para proteger seus dispositivos e suas informações. Não deixe de conhecer!