Dicas e Curiosidades

ver todos

Conheça as senhas mais comuns (e frágeis) de 2016 e nunca as use!

Postado em 13/02/2017

Conheça as senhas mais comuns (e frágeis) de 2016 e nunca as use!

469.000
novas ameaças são encontradas
por semana na internet.

Se você quer uma
navegação segura e total
proteção
para seus dados
garanta a proteção do
UOL Antivírus

baixar agora

Quantas vezes você já ouviu – e leu, inclusive por aqui – que senhas de serviços online precisam ter mais de dez caracteres, mesclando números, letras e símbolos especiais? Várias, né? No entanto, parece que a maioria das pessoas ainda não aprendeu essa lição.

De acordo com levantamento da empresa de segurança Keeper, 17% das pessoas usavam, no ano passado, a previsível sequência numérica “123456” para proteger o acesso a seus dispositivos e a suas contas em serviços online.

Entre as 15 senhas mais comuns e frágeis do ano passado, aparecem, predominantemente, sequências de número e de letras do teclado. Confira a lista completa:

Para chegar a esses resultados, a empresa de segurança Keeper analisou mais de 10 milhões de senhas que foram vazadas na web no ano passado. Não custa lembrar que o ano de 2016 ficou marcado por grandes vazamentos. Usuários do Yahoo!, LinkedIn e Dropbox, por exemplo, foram vítimas de violação de dados.

Aproveitando o assunto, vamos reforçar algumas dicas para criar senhas seguras? Dá uma conferida:

Use senhas longas

Observando a lista, vale notar que sete das 15 senhas mais comuns possuem apenas seis caracteres, o que facilita muito o trabalho dos criminosos digitais na hora de desvendar palavras-chave das vítimas. Basicamente, os criminosos usam softwares de adivinhação randômica que criam milhares de combinações por minuto.

Na prática, isso significa que, quanto mais longa for sua senha, maior a dificuldade de desvendá-la. Um levantamento realizado pela revista Businessweek, baseado em relatórios de empresas de tecnologia e segurança, afirma que bastam dez minutos para descobrir uma senha de apenas seis caracteres composta de letras minúsculas.

Por sua vez, uma senha de nove caracteres que inclua letras maiúsculas e minúsculas pode demorar até 178 anos para ser interceptada. Percebeu a diferença, né?

Evite combinações óbvias

Conserte seu aparelho em lojas autorizadas

De nada adianta criar senhas longas se elas são algum tipo de combinação óbvia, como “123456789”. Isso inclui, também, datas de aniversário, sobrenome da família e por aí vai. Se você adotar esse critério para criar suas senhas, alguém que possui alguma informação sobre sua vida pode descobrir facilmente sua palavra-chave.

Diversifique suas senhas

Você já pensou o tamanho do problema em ter uma chave universal capaz de abrir a porta da sua casa, do seu carro e da sala do seu escritório? Se você for roubado, o ladrão terá fácil acesso a todos os seus pertences. Por isso, é normal as pessoas carregarem uma porção de chaves por aí.

O problema é que a maioria das pessoas não aplica esse mesmo raciocínio ao mundo digital. Elas usam a mesma senha no e-mail, nas redes sociais e em outros serviços online. Então, se um criminoso digital conseguir desvendar sua senha do Facebook, por exemplo, ele consegue acessar, também, sua conta de e-mail do trabalho e assim por diante. Olha o tamanho do problema!

Não salve suas senhas em arquivos

De fato, não é fácil guardar tantas palavras-chave (ainda mais extensas). Diante desse cenário, muitos usuários acabam salvando suas senhas em documentos do Word ou planilhas do Excel. Segundo levantamento da especialista em pesquisas Vanson Bourne, em parceria com a empresa de segurança online CyberArk, 40% das empresas adotam essa prática nada recomendável.

Basta uma invasão à sua máquina para abrir o arquivo e roubar todas as suas senhas de uma única vez. Agora, a gente sabe que ter um arquivo com todas as palavras-chave é uma mão na roda para você. Então, se você quiser fazer isso, adote algumas medidas de segurança, como aplicar uma senha para abrir o arquivo.