Dicas e Curiosidades

ver todos

Criminosos digitais descobrem senhas de acordo com a forma como você inclina seu smartphone e tablet ao digitar

Postado em 24/05/2017

Criminosos digitais descobrem senhas de acordo com a forma como você inclina seu smartphone e tablet ao digitar

469.000
novas ameaças são encontradas
por semana na internet.

Se você quer uma
navegação segura e total
proteção
para seus dados
garanta a proteção do
UOL Antivírus

baixar agora

Quando você acha que já viu de tudo, os criminosos digitais desenvolvem novas técnicas para roubar informações e nos surpreendem novamente. Agora, eles conseguem descobrir as senhas que você digita no smartphone e no tablet de acordo com a forma como você inclina os aparelhos.

De acordo com pesquisadores da Newcastle University, isso acontece graças às dezenas de sensores contidas nos dispositivos móveis. Entre eles, destacam-se GPS, microfone, câmera, giroscópio (sensor que calcula direção), tecnologia NFC e por aí vai. De modo geral, esses sensores visam a proporcionar uma melhor experiência e usabilidade. Para tanto, eles coletam uma série de dados dos usuários.

Aí, programas maliciosos são capazes de explorar esses sensores para roubar informações sensíveis. Isso inclui os horários de ligações recebidas e efetuadas e, pasmem, todas as teclas que você pressionou. Em outras palavras, é possível descobrir senhas e códigos que você digita no aparelho.

Para se ter uma ideia, ao analisar os movimentos do aparelho, os pesquisadores revelam que é possível desvendar uma senha de quatro dígitos com uma precisão de 70% logo na primeira tentativa, e de 100% na quinta.

A situação piora ainda mais quando não é necessário ter um programa malicioso instalado no aparelho para que seja possível roubar suas informações por meio dos sensores. Se o usuário acessar pelo smartphone uma página web que contenha um desses códigos maliciosos e, na sequência, abrir um aplicativo que solicita senha sem ter fechado a aba do navegador, as pragas conseguem captar as informações que a vítima digita.

O que fazer?

Além de apontar os problemas, os pesquisadores sugerem algumas recomendações para que os usuários não sejam vítimas de seus próprios movimentos. A primeira dica é alternar suas senhas regularmente. Essa medida faz com que os programas maliciosos não tenham tempo suficiente para desvendá-las.

Como muitas pragas se escondem em aplicativos supostamente legítimos, tenha muito cuidado na hora de baixar apps. O ideal é que você só faça download em lojas oficiais e, principalmente, leia com atenção as permissões que os aplicativos solicitam.

Quem tem UOL Segurança Digital instalado no Android, por exemplo, tem certeza quando um aplicativo é perigoso ou não antes de baixá-lo, graças ao alerta que o antivírus dá.

Como viu acima, mesmo que você não instale nenhuma praga em seu smartphone, ainda é possível correr riscos, caso acesse uma página maliciosa e mantenha seu navegador rodando em segundo plano. Aqui, vale ressaltar que alguns navegadores, como Firefox e Apple Safari, já resolveram, em parte, o problema. Mesmo assim, seja consciente e feche os aplicativos de fundo e até mesmo desinstale aqueles que você não usa mais.