Dicas e Curiosidades

ver todos

Estudo prevê que 2017 será o ano dos ataques via Internet das Coisas

Postado em 06/02/2017

Estudo prevê que 2017 será o ano dos ataques via Internet das Coisas

469.000
novas ameaças são encontradas
por semana na internet.

Se você quer uma
navegação segura e total
proteção
para seus dados
garanta a proteção do
UOL Antivírus

baixar agora

No relatório anual sobre ameaças virtuais da Trend Micro, empresa de segurança digital, o que mais chama a atenção é como os ataques que envolvem a Internet das Coisas vão se consolidar neste ano de 2017. Com uma base maior de dispositivos conectados à internet – 28,4 bilhões, segundo dados do site Statista –, todos os aparelhos estão na mira dos criminosos digitais.

Diante desse cenário, a empresa entende que os ataques de ransomwares devem ser direcionados para outros dispositivos também. Além de continuarem sequestrando dados de computadores e smartphones, as ameaças devem comprometer, também, desde sistemas de ponto de venda até caixas eletrônicos. Para tanto, o número de famílias dessa praga deve crescer em torno de 25%. Isso representa, em média, 15 novas famílias de ransomwares por mês.

Por conta da ausência de programas de segurança específicos, muitos dispositivos da Internet das Coisas podem sofrer ataques remotos de criminosos digitais. Aqui, podemos citar webcams, roteadores, aquecedores domésticos e carros conectados.

Para se ter uma ideia, o Mirai, programa desenvolvido para atacar a Internet das Coisas, já invadiu mais de 15 mil aparelhos. De modo geral, os invasores fazem com que os dispositivos se conectem em um endereço na web ao mesmo tempo, sobrecarregando os servidores e derrubando grandes sites.

Outras ameaças em 2017

O que era difícil de imaginar deve acontecer neste ano: as descobertas de vulnerabilidades da Apple e da Adobe devem ultrapassar as da Microsoft. Aliás, isso já aconteceu, em parte, em 2016, quando foram identificadas 96 brechas nos softwares da Adobe ante 69 nos da Microsoft. As vulnerabilidades da Apple totalizaram 46 no ano passado.

Na prática, isso significa que as empresas precisam trabalhar mais para liberar as devidas correções. Do outro lado, os usuários devem sempre manter o sistema operacional e os softwares atualizados.

O que você pode fazer para se defender

Certamente você tem dois ou até mais dispositivos que se conectam à internet na sua casa, né? Para não os tornar alvo fácil dos criminosos digitais, é fundamental protegê-los com senhas. Troque as senhas de fábrica por novas, que sejam alfanuméricas, isto é, que mesclem números, letras maiúsculas e minúsculas e símbolos especiais.

E o mais importante de tudo é manter um programa antivírus instalado em todos os dispositivos possíveis. Nesse caso, o UOL Segurança Digital protege computadores, tablets e smartphones. Não deixe de testar!