Dicas e Curiosidades

ver todos

Os maiores mitos sobre vírus de computador

Postado em 03/07/2013

Os maiores mitos sobre vírus de computador

469.000
novas ameaças são encontradas
por semana na internet.

Se você quer uma
navegação segura e total
proteção
para seus dados
garanta a proteção do
UOL Antivírus

baixar agora

Nem tudo o que você andou ouvindo por aí sobre os vírus de computador é verdade. Os criminosos digitais estão cada vez mais criativos e constantemente lançam novas formas de ataque. As pragas digitais podem vir em diferentes formas, tipos e tamanhos.

Elas são tão versáteis que nenhum sistema operacional hoje está a salvo. A contaminação pode acontecer por e-mail, páginas da web infectadas, pen drives ou pela rede.

A melhor maneira de lidar com essas pragas é conhecer bem o inimigo. Listamos, abaixo, alguns dos mitos sobre esse mundo, nos quais você não deve acreditar:

Todo computador infectado apresenta sintomas claros

Se o seu computador não está mais lento do que o normal, nem tem apresentado bloqueios inesperados, ainda assim ele pode estar infectado. Cada vez mais os criminosos digitais tentam ser discretos ao instalar um malware na máquina alheia.

Sem serem percebidos pelo usuário, eles podem se aproveitar do computador por mais tempo, especialmente se o objetivo for torná-lo parte de uma rede zumbi (botnet).

Não existe perigo ao abrir e-mails sem clicar no anexo

De fato, os malwares disseminados por e-mail geralmente vêm em arquivos anexos, mas muitos deles conseguem ser habilitados automaticamente, explorando vulnerabilidades do software usado para ler suas mensagens. Por isso, mantenha o programa sempre atualizado.

Além disso, também é possível que os códigos maliciosos venham embutidos no texto do e-mail. Se seu PC está configurado para interpretar scripts automaticamente, o ideal é desabilitar essa função.

Estou livre de vírus, pois só abro e-mails de conhecidos

Não é possível confiar que uma mensagem é segura apenas por identificar sua origem. Muitos malwares são disseminados de forma acidental. Ou seja, aquela mensagem do seu melhor amigo pode estar contaminada.

No mais, nem sempre o endereço de e-mail que aparece como remetente da mensagem é real. Ele pode simplesmente ter sido usado por um criminoso digital para espalhar um vírus ou worm de forma mais eficiente. Assim, o ideal é que você só abra e-mails que esteja esperando receber.

Só é possível ser infectado por malwares através da internet

A internet é, de fato, a porta de entrada mais comum para códigos e programas maliciosos no computador. Porém, há outras técnicas de propagação, e uma das mais utilizadas é o pen drive.

Muitas vezes, basta conectar o dispositivo à entrada USB para que um worm faça uma cópia de si mesmo e se instale na máquina automaticamente. Uma dica é desativar o recurso de execução automática dos pen drives e configurar seu antivírus para examiná-los.

É impossível ser infectado apenas visitando uma página

Não é de hoje que computadores são infectados por meio de descargas silenciosas. Basta carregar uma página recheada de códigos maliciosos no seu navegador para contaminar sua máquina.

E não pense que os sites mais populares estão protegidos. Pelo contrário, eles são ainda mais visados, pois assim os criminosos digitais podem atingir um número ainda maior de vítimas. Não se engane, os malwares costumam ser inseridos em páginas confiáveis sem aviso prévio.

Só o firewall consegue proteger o PC de todos os malwares

O firewall não foi feito para trabalhar sozinho, pois não consegue bloquear todas as conexões suspeitas ou indesejadas feitas pelo seu computador enquanto navega na internet. Ele pode até ajudar a impedir a propagação das pragas digitais, mas deve sempre funcionar em parceria com um bom antivírus – nunca substituí-lo.

Grande parte dos softwares de segurança já vem com o "escudo digital", e os sistemas operacionais também contam com uma versão nativa.

Antivírus gratuitos oferecem a mesma proteção dos pagos

Para perceber a diferença, basta comparar a quantidade e a qualidade dos recursos presentes em versões gratuitas e pagas dos diversos softwares de segurança disponíveis no mercado.

Embora também sejam eficazes, os antivírus gratuitos para antivírus grátis podem vir sem antispyware, firewall ou filtros antispam. Já os pagos costumam oferecer recursos mais sofisticados e integrar outros programas úteis ao usuário. O UOL Antivírus, por exemplo, possui versões gratuitas e pagas.

Dois antivírus instalados funcionam melhor do que um só

O ideal é que você escolha apenas um antivírus que atenda suas necessidades e proteja sua máquina. Quando dois softwares de segurança diferentes são instalados em um computador, o sistema costuma ficar mais lento, pois eles passam a competir entre si.

Dessa forma, é possível que eles abram uma brecha para que um anule o outro, já que os detalhes de desempenho e configuração variam de uma marca para outra.

Antivírus protegem o computador contra qualquer ameaça

Claro que é essencial ter um antivírus eficiente instalado na sua máquina, mas esse é apenas o primeiro passo para se manter protegido. Existem programas específicos para driblar cada tipo de ameaça: malwares, adwares ou spywares – e o ideal é ter todos esses softwares instalados.

Outra dica é manter seu sistema operacional, navegadores e aplicativos sempre atualizados – programando varreduras frequentes no seu disco para o caso de qualquer eventualidade.

Usuários de Mac e Linux estão livres de vírus

Os usuários de Mac e Linux também podem estar expostos a códigos e programas maliciosos. È verdade que os PCs que rodam Windows são mais numerosos, e, portanto, mais visados pelos criminosos digitais.

Mas já há ameaças circulando na rede tanto para os fãs da maçã quando para os do pingüim. Portanto, as mesmas precauções que você tomaria em relação a um PC valem para Mac e Linux.

Celulares estão imunes a códigos e programas maliciosos

Android, iOS, Windows Phone ou Symbian. Qualquer que seja o sistema operacional do seu smartphone, ele está sujeito a ser infectado. Em 2004, foi descoberto o primeiro vírus para celular. Desde então, quanto mais populares eles se tornam, mais tendem a se tornar alvos dos malwares. Basta estar com o Bluetooth aberto ou conectado à internet. Da mesma forma que seu computador precisa de um bom antivírus, seu smartphone também precisa ser protegido.

Pois é, tem muitas ameaças à solta por aí – provavelmente, mais do que você iaginava. Então não perca tempo e adquira já o UOL Antivírus.