Dicas e Curiosidades

ver todos

Saiba quais são os perigos por trás dos aplicativos de namoro

Postado em 27/12/2017

Saiba quais são os perigos por trás dos aplicativos de namoro

469.000
novas ameaças são encontradas
por semana na internet.

Se você quer uma
navegação segura e total
proteção
para seus dados
garanta a proteção do
UOL Antivírus

baixar agora

Não há mais necessidade de se produzir por horas e ir a festas para encontrar sua alma gêmea. Na verdade, bastam poucos toques na tela. Os aplicativos de namoro se popularizaram nos últimos tempos. O Tinder, por exemplo, possui mais de 50 milhões de usuários cadastrados.

Para fazer sucesso nessas plataformas, os usuários estão dispostos a passar algumas informações pessoais, como nome, emprego, locais que frequentam e hobbies. E aí começam os perigos por trás dos aplicativos de namoro: eles guardam todas essas informações, além de suas atividades.

Tanto é assim que a jornalista britânica Judith Duportail, do jornal The Guardian, chegou a solicitar ao Tinder o acesso a seus dados pessoais. Para a sua surpresa, o aplicativo reunia 800 páginas com todas as atividades da jornalista: de curtidas no Facebook a fotos de uma conta que já havia sido deletada do Instagram.

Por mais que, na teoria, essas informações fiquem inacessíveis a terceiros, corre-se o risco de vazamento de dados. Em maio deste ano, por exemplo, uma falha de segurança do Tinder expôs mais de 40 mil fotos de usuários.

E os problemas não param por aí. Confira outros perigos que existem por trás dos aplicativos de namoro:

Descoberta da identidade

Pesquisadores da Kaspersky analisaram os nove aplicativos de namoro mais populares do mundo. Em meio ao estudo, quatro deles (Tinder, Happn, Paktor e Bumble) permitem que qualquer pessoa utilize os dados fornecidos pelos próprios usuários para descobrir quem está por trás de um apelido.

Na maioria dos casos, é possível relacionar o apelido de um usuário às contas dele em outras mídias sociais. Em outras palavras, com pouco esforço, qualquer pessoa consegue descobrir a identidade do usuário: desde o nome completo até o local de trabalho.

Localização aproximada

Seis dos nove aplicativos analisados indicam a distância entre as duas pessoas interessadas. Trata-se de um recurso que tenta viabilizar o encontro dos usuários. No entanto, quando uma das partes é uma pessoa mal-intencionada, a funcionalidade vira um problema.

O aplicativo Happn é ainda mais revelador. Além de mostrar a distância entre os usuários, ele aponta o número de vezes que seus caminhos se cruzaram.

Transferência de dados

Embora a maioria dos aplicativos transfira dados para servidores por meio de canais criptografados SSL, existem exceções. E isso coloca em risco sua privacidade a partir do momento em que você envia uma mensagem de texto ou compartilha arquivos de mídia.

No aplicativo Mamba, por exemplo, é possível identificar a versão do Android do remetente. A situação piora quando o usuário utiliza um dispositivo iOS, uma vez que a transferência de dados acontece por meio do protocolo HTTP. Em outras palavras, isso significa que terceiros têm acesso a todas as mensagens e imagens compartilhadas.

Esses dados não estão apenas visíveis, mas também suscetíveis à modificação. Isso possibilita que terceiros transformem um “Olá, como vai?” em um pedido de dinheiro.

Mas o Mamba está longe de ser o único aplicativo que permite o controle de um perfil graças a conexões inseguras. Em maior ou menor grau, outros aplicativos apresentam vulnerabilidades que colocam em risco a sua privacidade.

Dicas para ficar livre dos perigos dos aplicativos de namoro

Em primeiro lugar, vamos começar pelo que você NÃO deve fazer de jeito nenhum quando se cadastra em aplicativos de namoro. Jamais revele seu endereço de e-mail pessoal ou de trabalho nem o relacione à sua conta de redes sociais. Aliás, evite fornecer seu nome completo e local de trabalho. Não precisa ser um mentiroso contumaz, mas omitir informações não é nenhum crime.

Ah, e evite acessar aplicativos de namoro em locais com rede pública Wi-Fi. Isso porque criminosos digitais conseguem interceptar sua conexão para roubar seus dados.

Por fim, não desconsidere a instalação de um programa antivírus. O UOL Segurança Digital, por exemplo, evita que você acesse páginas sem criptografia e impede a execução de códigos maliciosos em seu dispositivo.