Dicas e Curiosidades

ver todos

Cuidado: vírus para smartphones
cresceram 96% em 2016

Postado em 19/01/2017

Cuidado: vírus para smartphones cresceram 96% em 2016

469.000
novas ameaças são encontradas
por semana na internet.

Se você quer uma
navegação segura e total
proteção
para seus dados
garanta a proteção do
UOL Antivírus

baixar agora

O que já era perigoso ficou ainda mais. O primeiro semestre de 2016 viu um aumento de 96% nas infecções de vírus em smartphones, praticamente o dobro do observado no semestre anterior, de acordo com um relatório recente da Nokia.

Aliás, os smartphones são o alvo preferido dos criminosos digitais quando o assunto é ameaça móvel. Para se ter uma ideia, os ataques a aparelhos celulares representam 78% de todas infecções identificadas em redes móveis.

De acordo com o estudo, as infecções por malware bateram o recorde em abril deste ano, quando um em cada 120 smartphones apresentou algum tipo de infecção por malware.

A maneira mais comum que os criminosos virtuais encontram de propagar as pragas é criando cópias infectadas de aplicativos populares, como WhatsApp e Pokémon GO. Assim, enquanto os usuários pensam que estão baixando os aplicativos originais, estão, na verdade, infectando seus aparelhos móveis.

As três maiores ameaças móveis

Ainda de acordo com o relatório, as três maiores ameaças móveis que, juntas, responderam por 47% de todas as infecções móveis detectadas no primeiro semestre deste ano, foram: Uapush.A, Kasandra.B e SMSTracker.

O Uapush.A é um código malicioso Android que, uma vez instalado no smartphone da vítima, é capaz de enviar mensagens SMS e roubar informações pessoais armazenadas no aparelho.

Por sua vez, o Kasandra.B é um vírus que imita o aplicativo de segurança da Kaspersky. Ele consegue acessar informações privadas, como mensagens SMS, agenda de contatos, registro de chamadas, além de dados de localização e histórico de navegação.

Por último, o SMSTracker é um aplicativo espião que fornece um sistema completo de rastreamento e monitoramento de telefones. Isso inclui acesso a mensagens, chamadas de voz, dados de localização e histórico dos navegadores.

Android é o principal alvo

Sabendo que o Android domina o mercado mundial de smartphones, com 87,5% de participação de mercado – segundo dados da empresa Strategy Analytics –, não é de estranhar que os criminosos digitais enxerguem no sistema operacional uma ótima oportunidade de lucrar.

Outro ponto que faz o Android ser o principal alvo dos ataques móveis é que os usuários podem baixar aplicativos de lojas não oficiais. E aí mora o perigo, pois muitos deles são armadilhas disfarçadas.

Diante desse cenário, o relatório aponta, ainda, que aproximadamente 74% das infecções de vírus ocorreram em aparelhos com o sistema Android no primeiro semestre de 2016. E tem mais: as amostras de malwares exclusivos para Android subiram de 5,1 milhões, no segundo semestre de 2015, para 8,9 milhões nos primeiros seis meses deste ano.

Se você possui um aparelho Android, já viu que não dá para contar só com a sorte para se proteger dos ataques móveis. Aqui, a melhor solução é instalar um antivírus completo e atualizado, como o do UOL Segurança Digital.